_festival perfídia 2019

_videoperformances

> Sessão 1

> Casa da Luz

> Quinta, 8 de Agosto

> exibição entre 14h e 17h30

> Sessão 2

> Casa da Luz

> Quinta, 8 de Agosto

> exibição entre 22h e 03h

> durante o cabaréPerfídia

> Sessão 3

> Ateliê Amarelinho

> Sexta, 9 de Agosto

> exibição entre 20h30 e 00h

> durante o LoungeLove

> Sessão 4

> Teatro de Contêiner

> Sexta, 9 de Agosto

> exibição entre 20h30 e 00h

> durante o LoungeLove

 

BALDÍA

[Renna Costa - Fortaleza - CE - Brasil]

Sinopse: Na rede global de infraestrutura de cabos submarinos, os pontos terminais são sítios precários, passivos de serem afetados por atores locais, pelo ambiente que os circunda ou por ameaças de segurança. O artista busca estabelecer um vínculo fenomenológico com esse ambiente de transição da infraestrutura dos cabos submarinos, partindo dos pontos terminais em Fortaleza (Brasil) para os pontos terminais em duas outras cidades com as quais está materialmente conectada e que se encontram em extremos opostos do Atlântico Sul Equatorial: Sangano (Angola) e Salgar (Colômbia).

Artista: rc campos é artista-pesquisador, experimentando com vídeo, performance e instalação e criando trabalhos inspirados por temas como arqueologia das mídias e das redes, etnografia sensorial, afetividades de deslocamento e infraestruturais.

Ficha técnica: Performance, imagens e edição: rc campos; Ass. de produção: xeyletix  

Duração: 9 minutos

MARIA III

[Cristiano Sousa + O Anti Balé - Goiânia-GO]

Sinopse: Série de videoarte experimental com o artista e performer goiano Marcos Maria Branquinho.

Artistas: Cristiano Sousa é diretor e produtor  audiovisual, realizou diversos cursos de formação em cinema  em instituições como  Casa de Cinema Rosa Berardo,  Icumam e outros,  com histórico de produção de DVD musicais, videoarte, produções teatrais, videoclipes e  curta metragens onde atua também  como roteirista e diretor / O Anti Balé, criado por Marcos Maria Branquinho, pesquisa uma arte onde desapareça narração, figuração e fábula, pela impossibilidade de fornecer sentido e síntese. Seus elementos formais seriam: fragmentação, deformação, subversão, transgressão, descontinuidade, não-textualidade, plurimedialidade e anulação de fronteiras entre linguagens.

Ficha técnica: Produção: Cristiano Sousa; Performance: Marcos Maria Branquinho

Duração: 2 minutos e meio

estudo 3: salobro | contaminações sobre o rio

[Cristiana Nogueira - Macapá-AP]

Sinopse: estudo 3: salobro | contaminações sobre o rio faz parte de uma série de trabalhos que discutem a contaminação das águas de rios e mares por elementos naturais ou artificiais. Através da inserção do corpo na paisagem contaminada é criado um contraste entre a beleza da paisagem e a contaminação que se esconde nas águas.

Artista: Cristiana Nogueira é licenciada em Educação Artística e mestre em Arte e Cultura Contemporânea pela UERJ. Participou de exposições e residências, sendo o mais recente Festival La Plataformance. Organiza o festival Corpus Urbis e coordena o projeto Performance na Praça. É professora do Curso de Artes Visuais da Unifap. Tem interesse na relação entre imagem, performance e intervenção urbana. Natural do Rio de Janeiro-RJ, mas atualmente vive e trabalha em Macapá-AP.

Ficha técnica: Imagens: Wellington Dias; Edição: Mariana Katona Leal; Colaboração: Alelson Santos, Ellias dos Anjos, José Amanajás e David Lucas.

Duração: 5 minutos

Jornada Transcendental

[Chaiss + Linn da Quebrada - São Paulo-SP]

Sinopse: Primeiro videoclipe de "Charas" o novo álbum do quarteto de jazz Chaiss.

Artistas: O projeto Chaiss teve início em 2009 com o duo Fábio de Albuquerque e Rob Ashtoffen. Em 2015 lançaram o álbum "Aʄroδιsια" pelo selo 180 (Rio Grande do Sul) em formação de quinteto. Atualmente se apresentam como Chaiss Quarteto com a presença do guitarrista Eder Martins e Vinícius Chagas no saxofone. / Linn da Quebrada é bicha, trans, preta e periférica. Nem ator, nem atriz, atroz. Bailarinx, cantora, performer e terrorista de gênero.

Ficha Técnica: Performance: Linn da Quebrada; Câmeras: Fernando Santos, Leonardo Souza, Rui Alves (Cinefoto Colapso); Mapping/Projeção: Luciana Ramin- Agrupamento Andar7; Edição e Finalização: Cinefoto Colapso; Locação: Sub Galeria-SP.

Duração: 3 minutos e meio

Sobre os Trilhos

[Junior Lima + Michael Rodrigues - São José do Rio Preto-SP]

Sinopse: Ocupar a cidade, dançar o espaço urbano e registrar a troca simultânea entre o corpo e o ambiente. É sobre idas e vindas, sobre escolhas, tempos e trajetórias.

Artista: Júnior Lima é membro do Agrupamento Andar 7, graduando em Comunicação das Artes do Corpo pela PUC-SP e pesquisa a hibridização das linguagens cênicas.

Ficha Técnica: Concepção e e performance: Junior Lima; Edição: Michael Rodrigues

Duração: 2 minutos e meio

Re-Banho

[Tales Frey - Porto-Portugal]

Sinopse: Performance/ritual que envolve o ato de banhar-se como forma de purificação, de benção, simbolizando o batismo e a repetição de um ritual que se pratica habitualmente (como ir à missa aos domingos para receber a água benta). A ação consiste em um banho em frente a uma igreja, sob trajes virtuosos, com auxílio de água e sabão. Em momento algum o corpo é exibido, pois a ação de lavar ocorre por baixo da indumentária, e o banho só termina quando a barra de sabão chega ao fim.

Artista: Tales vive e trabalha entre o Brasil e Portugal. Performer, videoartista, crítico de arte e encenador, realiza obras amparadas tanto pelas artes visuais como pelas cênicas. Atualmente, integra o programa de pós-doutorado do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho. É membro fundador da revista eletrônica Performatus e da Cia. Excessos.

Ficha técnica: Concepção / Coordenação: Tales Frey; Artistas Performáticos: Joana Lleys, Lizi Menezes, Miguel Ambrizzi, Paula Guedes, Tales Frey e Tânia Dinis; Vídeo: Jorge Quintela; Fotos: Marcos Guilherme e Suianni Macedo; Apoio: Rosa Chock; Realização: Cia.Excessos.

Duração: 11 minutos e meio

Macuco

[Maurício Adinolfi - Santos-SP]

Sinopse: Vídeo experimental que trata da relação humana com o mar. Filmado no litoral da baixada santista, entre barcas, catraias e navios, tem como protagonistas: um homem e uma mulher, um túnel, a chuva e o oceano.

Artista: Maurício é artista plástico com formação em Filosofia. Instinto, pulsão, civilização e animalidade são palavras atribuídas aos seus trabalhos que abarcam a questão homem e natureza. Seus projetos recentes se desenvolvem no espaço público, na relação com o outro à partir de Intervenções Urbanas e ações compartilhadas. 

Ficha Técnica: Com Márcio Barreto e Virgínia Spósito; Direção: Maurício Adinolfi; Fotografia e Edição: Aidê Resende; Desenho de Som e Mixagem: Luis Lamusse; Cor: Luanna Nepomuceno; Finalização: Aidê Resende.

Duração: 17 minutos

MOONOVOSOL II

[coletivo STAR - São Paulo-SP]

Sinopse: Dois seres não identificados exploram mundos internos e externos, absorvendo imagens, refletindo, refratando e retransmitindo vias de exploração. Percebem e investigam campos de percepção, seus movimentos meticulosos os aproximam do mundo em sua volta dentro de ondas sucessivas de captura e libertação de uma indeterminação iluminada.

Artista: Fundado em 2012, pela artista visual Adriana Tabalipa e pelo cineasta e artista visual Roderick Steel, o coletivo tem como foco principal desenvolver trabalhos de performances-rito, foto-performances e filmes experimentais. Seus trabalhos aludem a processos de Arte-vida. Energia, afeto, reflexão e transcendência geralmente fazem parte de suas proposições que manifestam potências poéticas no território da Arte.

Ficha técnica: Performance: Adriana Tabalipa & Roderick Steel; Fotografia: Andreia Vigo & Roderick Steel; Som: Giancarlo Lorenci

Duração: 12 minutos

PORN TECH

[Julha Franz - Porto Alegre-RS]

Sinopse: PORN como símbolo das relações atuais. TECH como a virtualização das relações, do contato. Nós usamos a tecnologia ou ela nos usa?

Artista: Julha Franz é uma artista sensorial de Porto Alegre. Estudou Artes combinadas na UBA (Buenos Aires) e segue sua pesquisa empírica com vídeo, performance e novas tecnologias. Seu trabalho questiona as questões de gênero e sexualidade impostas pela sociedade.

Ficha técnica: Performance, filmagem e edição: Julha Franz

Duração: 4 minutos

VANITAS

[Vinícius Cardoso + Irupé Sarmiento e Vera Valdez- São Paulo-SP]

Sinopse: No inferno de Bosch, ela foi condenada a olhar para seu próprio reflexo. Para sempre. Condenada pela sua vaidade, ela é vaidade. São duas, mas uma só. Espírito que vagueia pela escuridão do Jardim das Delícias. Ela se vê no espelho, jovem e velha. Ela é espelho. No reflexo agarra-se ao seu corpo morto, à juventude passada no desespero da beleza. Ela vive a precariedade efêmera dos prazeres mundanos, o vazio das ostentações vaidosas da humanidade, o engano pelo apego excessivo pelas riquezas materiais de que se rodeia; e a realidade ameaçadora do triunfo final da morte. O fim da beleza. O belo que encontra seu ápice na fim. A morte. A direção certa ao não-ser. Caminho de barro, pó e cinza.

Artista: Vinicius Cardoso é jornalista e diretor audiovisual. Em 2016, lançou a obra de videodança "Antropófagos", registrado na Oca, de Oscar Niemeyer. Assim como o filme "Árvore do Esquecimento", uma coreografia de Jorge Garcia para o Balé da Cidade de São Paulo. Em 2015, dirigiu o registro híbrido de vídeodança e documentário do Museu Dançante, projeto baseado na residência artística da São Paulo Companhia de Dança no MAM-SP. Em 2014, desenvolveu a série de vídeodança "Whoniverse", com as obras "Crushing Weight" e "Conspiratory Visions of Blue" que entrou em mais de 25 festivais ao redor do mundo. Dirigiu o site-specific "Contorno" somando projeções de vídeo à performance para a Virada Cultural 2014 de São Paulo.

Ficha Técnica: Performers: Irupé Sarmiento e Vera Valdez; Direção e edição: Vinícius Cardoso; Co-direção: Bruno Castro; Assistente de direção: Thiago Minamisawa; Cinematografia: Diogo Martins; Design de luz: Ari Buccioni; Make-up: Carla Santos; Direção de arte: João Zambom; Trilha: Anselmo Mancini

Duração: 6 minutos e meio

Contemplação

[Van Jesus - São Paulo-SP]

Sinopse: Ação de contemplar, olhar, observar com atenção. Ver, admirar com o pensamento, imaginar, supor. Meditação profunda e contemplativa. Em busca de entender as cidades, suas formas e construções. A artista, olha observa com atenção e medita profundamente no meio da BR 116, a Rio-Bahia, estrada que liga e corta o Rio e a Bahia, estrada que parte uma cidade em dois, que divide, que difere que se diferencia.

Artista: Van Jesus é artista brasileira que percorre pelas ruas da América Latina com suas performances e intervenções. Movida por compartir encontros, momentos, vivências e intercambiar conhecimentos, É uma entusiasta de Festivais de Arte. Criadora e colaboradora de festivais pelo Brasil, Paraguai, México, Argentina e Peru.

Ficha técnica: Performance: Van Jesus

Duração: 2 minutos e meio

Interlúdio Percussivo

[Victor Galvão + Laura Gonzaga - Belo Horizonte-MG]

Sinopse: A performance musical cria uma temporalidade expandida, em que não existem subdivisões: as 'Gymnopédies', de Erik Satie, são executadas livremente, sem preocupação com referências ou proporções no tempo musical. A sexualidade que envolve a performance é também expandida para a sua definição mais ampla, e também procura se livrar de referências externas acerca de passividade e atividade, começo e fim.

Artista: Victor Galvão é artista visual graduado pela Escola de Belas Artes da UFMG e trabalha com as conformações do espaço urbano derivadas da ideologia moderna do progresso. Seus projetos lidam com questões relacionadas ao esquecimento inerente no tempo histórico e a instabilidade entrópica do mundo material. Seus arquivos de imagens operam pela potência limítrofe entre ficção e documento, em narrativas que atravessam da escala de pequenos eventos da biografia de personagens anônimos a processos políticos complexos, se pautando pela distância e ruído que inevitavelmente se inscrevem no tempo

Ficha técnica: Performers: Victor Galvão e Laura Gonzaga

Duração: #1- 5minutos / #2 - 7 minutos

Tupinikuirs

[Jeffe Grochovs - Curitiba-PR]

Sinopse: Celebração dissidente, repleta de corpos-políticos empoderados e empoderadores, discursando através de performance e deslocamentos performativos, em um encontro freak e casual.

Artista: Jeffe Grochovs é uma bixa em deslocamento, com formação em cinema pela Faculdade de Artes do Paraná, em Curitiba. Cidade onde reside e também estudou Gênero e Biopolítica (PPGE-UFPR). Em sua pesquisa e prática artística, vem tencionando performance (e)m audiovisual, mesclando linguagens e dissolvendo gêneros. Em suas proposições, costuma trabalhar em parcerias com diversxs artistas, discursando sobre desidentidades, pós-pornografia, pirataria, à partir de performance e(m) cinema.

Ficha técnica: Roteiro e direção: Jeffe Grochovs; Assistência de direção: Camila Macedo; Produção: Kariny F. Martins; Fotografia: Jessica Candal Sato e Elisa Ratts; Edição: Junior Cândido; Assistência de edição: Eduardo Savella; Iluminação: Elisa Ratts e Mariana Maximino; Arte: Renan de Cillo; Karen Matias e Kariny F. Martins; Produção de set: Karen Matias e Kariny F. Martins; Som direto: Nicholas Novak e Luque Diaz; Pós de som: Lorenzo Molossi; Maquiagem: Amali Mussi; Logo: Ko Mistinguett; GORDURA TRANS*: Miro Spinelli e Ricardo Nolasco; LÉSBICA FUTURISTA: Larissa Marques, Mariana Ferraz, Lui Castanho, Sabrina Souza, Ligia Maria Durski, Hiromi Suzuki, Hudson Bruno, Adara Garbuglio e Bianca Amante; MEU CORPO7853: Lui Castanho; ETRUSKA E A BANANA: Stefano Belo, Jo Mistinguett, Yasmine Matusita e Luciano Faccini.

Duração: 17 minutos